ADVENTISTAS

Menu



A ORAÇÃO PÚBLICA

Como orar em público?


“Confessai, portanto os vossos pecados uns aos outros, e orai uns pelos outros, para serdes curados”. Tiago 5:16.


É possível que tenhamos formas pessoais de nos aproximar de Deus e manter comunhão com Ele, todavia, creio ser a oração a mais proveitosa e recompensadora maneira pela qual o cristão adora a Deus.
Há dois tipos de oração, no que se refere ao meio onde nos encontramos: a pública e a particular. Neste artigo faremos uma breve análise da oração pública, sua importância e significado.
* Ao orarmos publicamente, portanto acompanhado de outras pessoas, devemos nos lembrar do aspecto intercessório de tal oração. Assim, estamos naquele momento, sendo porta-vozes de todos os oradores que estão repetindo mentalmente nossas palavras. Deste modo,jamais deveríamos usar palavras ou termos que expressassem petições ou agradecimentos de caráter pessoal ou usar pronomes pessoais e/ou possessivos conjugados na primeira ou segunda pessoa do singular, exceto quando nos referirmos a Deus. Devemos, portanto, falar: nosso Deus, nossa vida, nós te pedimos, etc. (note-se que nossa já é plural e não deve ser acrescido de “s”).
* Este tipo de oração deve ser breve e ao ponto, de apenas 1, 2 ou 3 minutos, no máximo.(Vide Evangelismo pág. 146).
* Deve sempre ser feita em nome de Jesus (João 14:13). A evidência bíblica aponta para o fato de que a oração deve ser dirigida ao Pai, com o auxílio do Espírito Santo e em nome de Jesus.
* Deve ser audível mesmo para quem se encontra no último banco, distante da plataforma (no caso de ocorrer na igreja).
* Deve-se evitar a repetição do nome de Deus maquinalmente (Orientação da Criança, pág. 538). Quando necessário, usar sinônimos. Ex. Deus, Pai, Senhor, Criador, etc. Ao repetimos o mesmo nome a cada final de frase estamos apenas banalizando o nome de Deus, tornando a oração cansativa e desviando a atenção das pessoas para nossa deficiência verbal e não ao poder de Deus.
* Quando alguém é convidado a orar publicamente deve ter tempo necessário para organizar mentalmente uma oração que expresse as necessidades da Igreja. Isto pode ser feito em apenas um minuto!
* Jamais deve conter expressões generalizadas do tipo: Perdoa, ó Senhor os nossos pecados. Que pecados? Precisa-se esclarecer: Perdoa, ó Senhor, nossa negligência em estudar a Tua Palavra. Perdoa nossa maledicência contra os irmãos, etc.
* Deve obedecer a seguinte ordem e elementos:
(1) Adoração. Ex.: “A ti Senhor, sejam tributados honra, glória e louvor”.
(2) Ação de Graças.: “Te agradecemos pelo sacrifício salvífico do calvário”.
(3) Confissão: “Reconhecemos nossa falha e pedimos-te que perdoes nosso pecado de...”
(4) Petição: “Abençoa, Senhor, o Teu povo e dá-nos a capacidade de pregar o Teu evangelho através de...”
(5) Intercessão: “Dirija, ó Pai, nossos governantes”.
(6) Dedicação: “E nos entregamos em Tuas mãos para que nos uses conforme Teus desígnios”.
* Evitar Fundos Musicais porque eles desviam a atenção. “A música durante a oração tende a dispersar os pensamentos dos ouvintes, ou a oração, ou a música, ou ambas ficarão prejudicadas para a congregação. A um belo número musical deve-se dar um lugar que lhe seja próprio, e igualmente à oração audível.” (Charles W. Koller, Pregação Expositiva Sem Anotações, pág. 105).
* Orar publicamente é um talento concedido por Deus, e como tal, precisa ser desenvolvido com a assistência do Espírito Santo.
*Oremos, pois, buscando aprimorar a qualidade da mais íntima de louvar: A oração. Deus nos abençoe.
Pastor Carlos Melo de Castro -Associação Mineira Central.